quarta-feira, 27 de setembro de 2017

O Presente

No que você está pensando agora?

Onde você está agora?

Quais sensações é capaz de perceber nesse exato momento?

Como está seu corpo?

Como está o ambiente a sua volta?

Quem, nesse exato momento, é você?

Que tal nos dedicarmos, nem que seja por um breve instante, agora mesmo, essencialmente, ao único momento em que a vida verdadeiramente acontece?

Deixemos de lado, nem que seja por um breve instante, tudo o que vivemos para chegar até aqui. Livre-mo-nos, apenas nesse instante, de toda a preocupação, planos, metas e quaisquer expectativas sobre o que pode ou não acontecer daqui a pouco, daqui a alguns dias, meses, anos, décadas ou quem sabe até uma vida inteira a espera do que jamais saberemos se realmente irá acontecer.

A proposta é simples, mas também profundamente repleta de grandes desafios e desapegos que somente uma consciência conectada a sincera intenção de despertar para este momento pode perceber...



O presente

O meu é diferente do seu e cada um tem a peculiar impressão de um pedaço que faz parte do mesmo todo. 

O todo vive em cada pedaço e cada pedaço guarda o mesmo todo.

Devagações? Profecias? Ah, como pensar atrapalha!

Tão mais simples e extremamente revelador é apenas perceber, não é mesmo?

Independente do que acabou de passar, já foi.

Independente do que foi, já não é mais.

O que é jamais é definido. Apenas é.

Viver é morte e nascimento. Dormir e acordar.

O colorido das ilusões entorpece, causa sono e aprisiona a consciência. 

Mas, vem cá, quem você pensa que é para afirmar isso tudo?

Sabe-se lá! E de que importa?

Só faz sentido para quem sentir. E o que era, já não é mais. 

Nem mesmo a mesma ideia se repete, muito menos as suas interpretações.

Independente da embalagem, é um lindo presente que se abre de acordo com o que cada um é capaz de enxergar de seu conteúdo.

Taí em todo lugar e a cada novo momento.

O meu, o seu e o nosso presente.

Vamos abri-lo?



Agradecimentos: A eterna e imensurável generosidade do universo que sempre nos oferece novas alvoradas para o despertar da consciência.

Ao que tudo indica, não voltaremos a nos encontrar. Pelo menos não estes quem somos agora.

Até um novo primeiro encontro.

Avante!

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

21 de setembro

Caramba, quanto tempo!

Como cantaria Caetano: "És um senhor tão bonito quanto a cara do meu filho. Tempo, tempo, tempo, vou te fazer um pedido..." (música: Oração ao tempo - Caetano Veloso).

O tempo é mesmo encantador, dono de si e um tremendo pé de valsa. Podemos sentar na cadeira de canto, deitar no meio do salão, flutuar com a música, bailar ou até mesmo cambalear como um corpo embriagado que não sabe ao certo o ponto da próxima queda. É até engraçado. Tudo pode acontecer.

Um pedido? caminhar.

Talvez os maiores desafios de um caminhante sejam compreender que não adianta carregar nada além do necessário para seguir em frente e conectar-se com a energia que brilha dentro de si quando sabe que caminha na direção certa, mesmo desconhecendo o próximo destino. Ou a próxima música ;)

Aliás, nada se repete. Nem o caminho, nem a dança, nem a música. E ainda assim, um museu pode guardar grandes novidades.

Dentro ou fora, em cima ou embaixo, consciente ou não, segue o baile!





21 de setembro


Lembro bem daquela madrugada fria no pequeno vilarejo francês de Saint Jean Pied De Port. Era o primeiro dia do outono de 2015 no hemisfério norte. Como esquecer? 

A foto acima marca um dos primeiros registros do início da peregrinação que me traria experiências lindas, inesquecíveis e, acima de tudo, a consolidação da consciência de uma condição que é de todos nós e que mais cedo ou mais tarde haveremos de viver coerentemente com ela: somos caminhantes.

Bom, sobre a experiência que vivi no Caminho de Santiago de Compostela já escrevi algo em postagens anteriores. E me coloco ao inteiro dispor para auxiliar quem queira saber um pouco mais sobre essa história ou deseje dicas e informações para ter suas próprias experiências por lá. O que me trouxe de volta por aqui foi mesmo um sentimento especial que brotou nessa data: 21 de setembro.

No dia 21 de setembro senti na pele a mudança de uma estação climática. Mais que isso, configurou-se nitidamente à minha frente um novo ciclo. 

Hoje é 21 de setembro e não há nada mais precioso que o agora. Fato!

Mas e o tempo? Ah, o tempo... Revelou caminhos com lugares incríveis e que por mais lindos e aconchegantes que sejam, chama mais a atenção os sinais luminosos indicando a direção a seguir. E por estes lugares passamos, deixando um pouco da nossa energia e nos alimentando da energia que nos motiva a continuar caminhando.

E nessas trocas de energias, experiências e aprendizados, algo nos torna diferente do que éramos há um passo. 

E quando percebemos isso, já é dia 21 de setembro de novo. Mas não é mais o mesmo. É um novo ano, um novo lugar, uma nova experiência, um novo aprendizado e, olha só que lindo: é o aniversário de um outro ser que de repente se torna tão importante na sua vida e, como num piscar de olhos, hoje caminha ao seu lado. Trata-se de uma pequena e encantadora criatura que o tempo me apresentou como um filho, ou melhor, uma filha. 

Hoje é 21 de setembro de novo e pela primeira vez tenho a oportunidade de comemorar o aniversário de 5 anos de uma filha que o tempo me trouxe, que me chama de tio e vez ou outra me chama de pai, mas que independente da letra ou ritmo da música que toca, toca com amor e a abençoada luz de uma linda família.

Parabéns minha pequena, meu amor, minha amada Madalena. Feliz primeiro aniversário juntos! Que o seu caminhar seja sempre guiado pelas melhores intenções e conectado com o presente da vida que brilha ao aproveitar bem o tempo que o tempo nos dá.

Segue o baile!


  

(eu, leka e a nossa pequena Madá)

Agradecimentos: 

À família e aos lindos presentes que a vida nos oferece todos os dias.

#Avante





quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Avante!


Refletindo e orando...


Não haverá coerência na disputa em um lugar onde todos nasceram para caminhar e ser igualmente vitoriosos.

Despertemos o quanto antes para a verdade e a vida no caminho do bem, aprendendo dia a dia, a amar e servir para o bem de todos hoje, amanhã e sempre.

Que assim seja. Avante!

Agradecimentos: aos irmãos de jornada que, nas "sortes" e "revezes" da vida, nos inspiram a caminhar na direção do bem, seja pelo amor ou seja pela dor. Em tudo há aprendizado e progresso.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Camiño


Camiño

Fazer parte do tempo e com o tempo passar

Descobrir o caminho no próprio caminhar

Aceitar o presente, ser e compartilhar

 Toda luz que a vida permite brilhar


domingo, 9 de agosto de 2015

A profecia das brechas

Saudações amigos navegantes!

Após um hiato de 2 meses, estou de volta para compartilhar um pouco mais das ideias que me vêm à mente como verdadeiros embriões em busca de se desenvolver e ganhar o mundo.

Por que fiquei tanto tempo ausente?

Não sei ao certo. Mas foram 32 dias ininterruptos de textos diários e cerca de 60 dias de pausa que acredito terem sido suficientes. Digo isso tanto para o exercício que me propus inicialmente, quanto para depois afrouxar os laços e simplesmente estar aqui novamente com total desapego ao compromisso diário, permanecendo apenas a vontade de escrever e deixar fluir as palavras com total liberdade, como está acontecendo agora.

Assim sendo, vamos lá...


 A profecia das brechas

A imagem acima foi registrada pelo talentoso fotógrafo e camarada Bruno Kelly, durante a apresentação dOs Tucumanus na terceira edição do Malaba Jam Festival, evento beneficente que acontece anualmente em Manaus e que me sinto honrado de vestir a camisa.

Na foto estou em segundo plano atrás do amigo e companheiro de guerrilhas sonoras, Clóvis Rodrigues, em plena atuação pelos prazeres e necessidades que nos motivam a cantar e lutar pela sobrevivência e perseverança de nossa música, nosso discurso, nosso canto, nossa ideologia, nossa arte.

O alcance do que fazemos chega a ser algo singelo diante das poderosas e imponentes estruturas que a vida em sociedade oferece como valores a serem conquistados e vividos, de acordo com o que se apresenta como economicamente viável, seguro, nobre.

Às vezes as brechas para o despertar da consciência são tão discretas que passam desapercebidas por muitos que sequer têm noção do quanto aquilo pode se tornar um caminho libertador, algo que no futuro pode gerar abalos que levarão às ruínas velhas ideias concretizadas com a massa ingênua da ignorância.

Naturalmente, um dia a cultura será vista como elemento essencial do ser. Passaremos a valorizá-la como parte intrinsecamente ligada ao desenvolvimento físico e psíquico, à livre manifestação de suas habilidades e interpretações sobre o mundo e à maneira como cada indivíduo interage consigo, com o outro e com o meio onde vive.

Tais relações revelam uma infinidade de aptidões, paladares, ritmo, dança, poesia, pensamentos, comportamentos, peculiaridades de cada lugar, de cada povo, de cada indivíduo.

Manaus jamais será Liverpool e os verdadeiros potenciais de Manaus apontam para destinos que jamais Liverpool sonharia um dia alcançar.

Pobres são aqueles que se julgam nobres e não percebem a nobreza do que consideram ser pobre.

Bem aventurados os seres de vanguarda que dão vida às brechas que haverão de revelar novos e promissores caminhos.

O convite é pré-Socrático. A escolha é de cada um e os resultados disso também: "...conhece-te a ti mesmo".

Por falar nisso:

"Um passo a frente e não se está mais no mesmo lugar" - Chico Science

Avante!

Agradecimentos:

Aos bons e nobres pensamentos que geram boas energias e boas obras.

Hora: 03h07

Deni

domingo, 7 de junho de 2015

Sobre o natural (32)

Saudações, amigos leitores e companheiros navegantes!

Hoje estou escrevendo em uma situação diferenciada, diretamente da 11a edição do Festival Cultural do Pirão, evento itinerante criado pelo Movimento Pirão AM, que desta vez, chega à Compensa, em Manaus..

O festival começou no fim da tarde e vai até meia noite. Então, o jeito é escrever por aqui mesmo.

Aliás, vocês viram o fim da tarde de hoje?

A noite também está linda e muito agradável, como tudo que é natural.

Vamos ao texto...


Sobre o natural

Natural é sol

Natural é chuva

Natural é cachoeira

Natural é rio

Natural é mar

Natural é banzeiro

Natural é onda

Natural é harmonia

Natural é música

Natural é espetáculo

Natural é energia

Natural é poder

Natural é resignação

Natural é respeito

Natural é pedra

Natural é ar

Natural é fogo

Natural é água

Natural é gente, é bicho, é floresta, é espírito

Natural é vida

Natural é morte

Natural é fluir

Natural é eterno

Natural é evolução

Todo o resto é ignorância e ilusão

O tipo de coisa que, no nosso mundo, por enquanto, ainda é natural.


AGRADECIMENTOS:
À Deus.

Hora: 20h38

Amanhã tem mais!

Deni



sábado, 6 de junho de 2015

Sem direção (31)

Saudações, amigos leitores e companheiros navegantes!

Ontem falei sobre a breve, impactante e misteriosa visita da inspiração.

Hoje, travamos mais um duelo...


Sem direção

Desgovernado, liberto, sem rédeas

Iludido.

Dirija-se ao próximo!


AGRADECIMENTOS:
Aos que seguem boas orientações.

Hora: 23h38

Amanhã tem mais.

Deni